Now Playing Tracks

Aranha de banheiro

Quando me mudei para o apartamento em que moro atualmente, alguns dias depois da mudança, uma pequena aranha, daquelas chamadas de “papa-mosquitos” também se mudou para o meu banheiro, se alojando no canto do box. Ali, acompanhei quase diariamente, observando aquele aracnídeo na construção de uma pequena teia que se aproveitava da layout daquele canto composto do encontro de duas paredes e o teto. O vapor do chuveiro a fazia se recolher bem no canto, mesmo enquanto os incômodos mosquitos de banheiro, como drosófilas de bananas, rodeavam próximo a teia. 

E foi nessa observação que notei uma certa relação de mutualismo, não como simbiose, mas sim onde eu cedia o espaço para ela e involuntariamente procriava os tais mosquitos que surgiam da umidade do local e, em troca, a aranha as comia, minimizando assim o problema. Certa vez, cheguei a dar um nome: Aracélia. 

E acompanhei ela crescer naquele canto, observando mesmo que de forma breve, durante meus banhos diários, até que recentemente, entrei no box e não a vi mais. Pesquisei agora, enquanto escrevo, quanto tempo de vida em média tem uma aranha. Para minha decepção, depende da espécie. E eu não procurei saber qual era, mas provavelmente minha suspeita de que ela tenha entrado em óbito, pode ser uma realidade. Talvez ela tenha partido em busca de mosquitos mais saborosos, ou um canto melhor para viver. E agora, aquele canto do banheiro, está assim, inabitado.

Valor interior

A inteligência é uma característica humana. Talvez o que diferencie uns e outros é a quantidade de inteligência, o coeficiente.

Alécio, além no nome um tanto incomum, acumulava conhecimento igualmente raro, escrevendo sua primeira tese científica aos 30 anos, além dos títulos que recebera até ali. A dedicação desde pequeno e o gene herdado do pai, um filósofo notável de uma grande universidade gaúcha, eram alguns dos ingredientes que o tornaram alguém sábio. Talvez pelo grande investimento intelectual, tornara-se também um homem franzino, pouco vistoso, muitas vezes despercebido socialmente, sendo apenas reverenciado nos congressos após discursos de intensidade ímpar. Certamente aqueles momentos elevavam sua estima, mas por traz daquele grande intelecto, morava uma pessoa que, como todo ser humano, queria ser feliz em todos os âmbitos da vida. Casar e ter filhos, fazia parte logicamente de seu projeto de vida. Indagava-se quase diariamente o que fazer para atingir tais objetivos e, mesmo com enorme inteligência, Alécio se via incapaz de responder a si.

Numa manhã de domingo, caminhando nas imediações de um conhecido parque, observou uma família reunida para um momento feliz. Atento, observou e se projetou naquela cena até que o velho jornaleiro, seu amigo de muito tempo, o interrompeu comentando: “bonito, não é, doutor Alécio?”. O homem franzino se voltou para o velho amigo, respondeu positivamente e questionou como poderia ter aquilo. Foi apenas consolado pelo vendedor de jornais com um “esse dia chegará”. Pensou consigo que precisava ser notado e, naquela tarde, foi ao shopping, comprou roupas vistosas, acessórios caríssimos e convenceu-se de que o momento era aquele.

A semana foi de folga no trabalho, concedida por ele mesmo, já que conduzia seus compromissos profissionais como desejava. Frequentou lugares dos mais variados. Conheceu pessoas com os mais diversos interesses, mas nenhuma mulher lhe dara muita atenção. Na sexta-feira deu-se por vencido e decidiu abortar aquela missão. No piano bar de um clube conhecido, solicitou um drinque dos mais alcoólicos. O sujeito do bar, atenciosamente o serviu e o alertou. Estava sentado ao lado de uma moça bastante atraente, mas o momento lhe deixara sem condições de agir. Após o aviso do sujeito sobre o drinque que pedira, discorreu brevemente sobre os valores da vida. Vestido com um terno impecável e vistoso, comentou com o sujeito do outro lado do balcão seus pensamentos sobre a felicidade. A moça, de nome Mônica, passou a notar sua presença. Acabara de divorciar-se, tinha os olhos marejados e segurava um copo com algo que evaporava tão rápido quanto a bebida que Alécio ingeria. Enxugando as lágrimas, olhou para o homem engravatado ao seu lado e lhe dirigiu em tom gaguejante um “bonitas palavras”. Alécio olhou à sua esquerda, viu os olhos castanhos reluzirem e passou a dizer aqueles pensamentos para Mônica. Foram duas, três horas de conteúdo até que a moça enfim o calara com um beijo. Alécio havia descoberto a verdadeira forma de conquista. Atônito e com o coração pulsando rapidamente, foi tomado por um sentimento que nunca sentira. A inteligência acabava de lhe proporcionar mais uma alegria, desta vez nobre e única. Mais tarde soube que naquela noite, estava diante da mãe de seus filhos Luca e Leon, os novos prodígios.

To Tumblr, Love Pixel Union